quarta-feira, 11 de setembro de 2013

RELATÓRIO DA 1ª ROMARIA DA TERRA – 1986


                                                                         Por: Edson de Lorenzi e Angélica Apª Delfes Sestren

Em Santa Catarina, a CPT catarinense organizou a primeira Romaria da Terra que aconteceu no dia 14 de setembro de1986, aqui em Taquaruçu – Fraiburgo, nomeada como Cidade Santa do Contestado, tendo como lema: “Da luta pela terra brota a vida”. Este lugar foi escolhido por ter sido palco de um dos maiores massacres na luta pela terra. De um lado os latifundiários e o exército e do outro os caboclos e suas lideranças. Estes, durante mais de quatro anos (1912 a 1916) lutaram por um novo céu e uma nova terra, na Guerra do Contestado.

Quando surgiu o pensamento de organizar essa romaria, o povo da comunidade ficou motivado, mas não tinha a noção do nº de pessoas. Uns falavam em 4.000, outros 6.000, mas tudo era novidade, desafio e trabalho.

Alguns encontros para organizar as comissões de trabalho e as discussões em torno do movimento foram grandes. Quinze dias antes da romaria, as equipes já se faziam presentes. As vésperas, dezenas de pessoas se envolveram na organização. Taquaruçu tornou-se um palco cinematográfico para a realização de uma das mais importantes atividades dos movimentos sociais, religiosos e políticos do momento.

No dia que antecedia o encontro, as pessoas prepararam cerca de 5.000 lanches. Umas comentavam: - Meu Deus, nunca vi tanto pão, tanto queijo, tanta mortadela... Pessoas da comunidade passaram a noite ajudando a fazer pães nas padarias da cidade.

02h00 da madrugada para amanhecer domingo: Começa a chegar os primeiros ônibus. A comunidade e as pessoas que estavam no aguardo sentiram uma sensação estranha, parecia que algo diferente iria acontecer.

Então, por volta das cinco horas, o que parecia sonho ou impossível começa acontecer. Uma grande listra branca desenhada pelo teto dos ônibus surge no horizonte. Parecia não ser verdade. O gesto de aceno das pessoas que nos cumprimentavam e nos saudavam foi o início de um novo rumo para a nossa história.

08h00 da manhã: A grande faixa branca de ônibus nas estradas não tinha fim. Os estacionamentos estavam lotados. A alternativa era arrancar as cercas e criar novos espaços. Os ônibus foram colocados em lavouras e potreiros. Começam as atividades da Romaria

09h00:Todos os lanches tinham sido consumidos e o comércio de bebidas se esgotou. Pela 1ª vez nossa comunidade conheceu a bebida em lata. Três caminhões chegam para abastecer.

10h00: Começa a faltar água, os poços de água superficial não dão conta da demanda. Encanamento que abasteciam as casas foram arrancados para amenizar o problema. Mas tudo isso foi superado no decorrer do encontro.

Durante a chegada, os romeiros trouxeram muitas frases como:

 “Senhor teu povo passa fome”.

“Terra e vida lutaremos juntos”

“Povo sem terra, povo sem vida”

“Fraiburgo é destaque na agricultura, mas não tem telefone rural”

“Terra não se ganha conquista”

“Pedimos condenação para os crimes que matam os padres e agricultores que lutam pela vida”

10h30: Começa a apresentação da via sacra do contestado.

1ª estação: Luta pela terra no passado;

2ª estação: Realidade e lutas dos Sem Terras

3ª estação: Realidade e luta dos pequenos agricultores;

4ª estação: Formas como os trabalhadores estão se organizando.

11h00: Enquanto os romeiros celebravam a vida, o corpo de bombeiros chegam trazendo água, mas atola e para sair joga toda a água fora. Uma Tobata distribui água em tambores no meio do povo.

12h00: O milagre da partilha. Todos se alimentam e ficam saciados.

Durante todo o encontro, foram realizadas diversas atividades como: Apresentação de danças, declamação de poesias, encenações, falas, depoimentos, entre outros.

15h00: Na celebração final, a multidão demonstra-se motivada no sentido da luta pela terra, pela reforma agrária, pela saúde, educação e na parte final demonstra solidariedade, devoção e partilha. Um pacote com várias espécies de sementes crioulas foram distribuídas para as pessoas levarem para suas casas. Estiveram presentes:

Cerca de 25.000 romeiros;

60 padres;

46 celebrantes e 6 bispos

Vieram em 321 ônibus, 70 caminhões e 477 veículos pequenos e mais os que vieram a pé.

Na despedida, durante três horas as pessoas não paravam de acenar como forma de agradecimento.

Na segunda de manhã, dois palmos de pó são apagados pela chuva que cai no local. A água que caiu dos céus abençoou o encontro.

Daquele dia em diante, nós não somos mais os mesmos. Entendemos que para garantir nossos direitos precisamos nos unir, se organizar e lutar. A comunidade do Assentamento Contestado é fruto disso, como também vários outras ocupações que ocorreram em nossa região, garantindo o espaço que era ocupado pelo latifúndio

Hoje estamos aqui, tentando compreender nosso passado e analisando a atual situação quanto ao papel do estado em nossa sociedade.

Estamos muito felizes com esse evento, pelo fato da participação das comunidades irmãs que ajudaram a construir esse momento. Sentimos o mesmo calor e o mesmo desafio daquela romaria de 1986.

Nesse evento e celebração, com a graça e a BENÇÃO DE DEUS celebramos as alegrias, tristezas, conquistas, derrotas e vitórias.  Mas acima de tudo, celebramos a vida.


Primeira Romaria da terra do Estado de SC 1986

Obrigado a todos!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário